20 maio 2019

Adoção do 5G pode atrasar devido sanção dos EUA contra Huawei

Adoção do 5G pode atrasar devido sanção dos EUA contra Huawei

Os Estados Unidos apertaram sua ofensiva na guerra comercial contra a China, obrigando grandes grupos norte-americanos, como a Google, a Intel e a Qualcomm, acessarem o suporte de tecnologia para a gigante Huawei e outras companhias chinesas. Isso gera uma série de consequências, das quais a que maior preocupação fica por conta a chegada do 5G — a Huawei é líder no fornecimento de equipamentos de rede para a próxima geração de internet móvel.

Vale destacar que a Huawei não somente é a maior fabricante de infraestrutura como distribui componentes vitais para 5G para a Qualcomm, a Intel e a Micron. Segundo a firma de pesquisa de mercado Gavekal, os estadunidenses correspondem a ? da cadeia de fornecimento da companhia asiática, que também vende seus modems 5G para outras fabricantes, como a Samsung e a Apple.

“Isso pode atrasar a cadeia de suprimentos da Huawei nos Estados Unidos e potencialmente atrasar o 5G na China”, disseram Edison Lee e Timothy Chau, analistas da corretora Jefferies. Eles classificam o cenário como um “pesadelo” para a adoção do novo sistema.

O mundo todo deve sentir esse atraso

Além dos contratos na China, a Huawei assinou dezenas de outras parcerias comerciais com o 5G em todo o globo, incluindo 25 na Europa e 10 no Oriente Médio. Pode ser mais difícil cumprir os objetivos firmados nessa documentação se chinesa não puder usar as peças dos fornecedores norte-americanos.

Analistas acreditam que a Huawei está atualmente mais bem posicionada para contornar a proibição aplicada por Trump. Embora esteja na infraestrutura de um considerável número de pequenas operadoras de telefonia móvel no interior dos Estados Unidos, a companhia vem sendo “observada mais de perto” pelo governo ianque desde 2012, quando começaram as acusações de espionagem. Desde então, ela vem se preparando para interromper e diversificar a cadeia de abastecimento.

“A proibição vai desacelerar a adoção do 5G e, eventualmente, será prejudicial para operadoras e consumidores de telecomunicações em todo o mundo”, prevê Charlie Dai, analista da empresa de pesquisa Forrester. A expectativa para a chegada do 5G em vários países ainda está mantida para 2020 — mas o que estaria disponível no início do ano pode ficar para bem mais tarde, por exemplo.

“Restringir a Huawei de fazer negócios nos Estados Unidos não tornará o país mais seguro ou mais forte; em vez disso, isso servirá apenas para limitá-los a alternativas inferiores, porém mais caras, deixando-os atrasados ??na implantação 5G”, afirmou a Huawei.

Outras questões importantes

Bem, como já dissemos nas outras matérias, os aparelhos Huawei existentes vão continuar operando alguns serviços básicos da Google, como Gmail e o Google Play. Caso nada mude, o suporte deve continuar cerca de mais um ano e não espere por atualizações de segurança ou até mesmo a chegada do Android Q.

O plano B da Huawei envolve um sistema operacional com base no que já foi alcançado com a interface EMUI. Como a companhia monta seus próprios chipsets para smartphones com a subsidiária HiSilicon, é bem possível que a companhia já tenha acumulado conhecimento suficiente para integrar bem hardware com software — o problema maior aqui é atuar fora da China, onde a empresa terá que encontrar parceiros locais em cada região que for atuar, já que é difícil fazer com o público deixe o Android para aderir à sua alternativa.

Por enquanto, a Honor, subsidiária de sucesso da Huawei na China, não deve ser tão afetada, porque ela tem uma rede de suprimento toda baseada nos arredores da matriz. Há ainda a espera pela decisão da Microsoft, que deve seguir as ações da Google mas não bateu o martelo — existem muitos modelos de laptops da Huawei com Windows 10.

Fonte: https://www.tecmundo.com.br/mercado/141502-adocao-5g-atrasar-devido-sancao-eua-huawei.htm

Share
16 maio 2019

Medida provisória quer simplificar a vida dos empreendedores.

Medida provisória quer simplificar a vida dos empreendedores.
Com a MP da Liberdade Econômica, o Governo Federal quer que os empresários brasileiros não enfrentem uma maratona para conseguir autorização para empreender.
Burocracia é uma expressão que não sai cabeça de empresários de todos os setores da nossa economia. E não é para menos, já que o Brasil está lá embaixo no ranking de países com melhores ambientes de negócios no mundo. O Governo Federal mandou para o Congresso uma medida provisória para simplificar a vida dos empreendedores.
São pessoas como Hannah Giovana, que montou um ateliê de costura em casa. Ela tirou o registro de MEI, mas não foi atrás do alvará permanente de funcionamento do negócio. “O provisório já acabou em 180 dias. O permanente eu ainda não tenho, porque eu ainda não tive tempo pra isso. Na verdade, porque é muita burocracia”, afirma.
Em Diadema, onde Hannah trabalha, existe um programa que facilita a vida do empreendedor, o Via Rápida Empresa. Mas isso é exceção em um país cercado de empecilhos.
Com a chamada MP da Liberdade Econômica, o Governo Federal quer que os empresários brasileiros não enfrentem uma maratona para conseguir autorização para empreender. “Ela aponta pra uma direção de maior liberdade, de maior facilidade de fazer negócio, mas também traz bastante responsabilidade para o empreendedor, que passa a ser um ator mais relevante na sociedade brasileira”, explica o professor de empreendedorismo da FGV, Newton Campos.
Pela medida, não é mais necessário nenhum tipo de “ato público de liberação da atividade econômica”, como licenças e alvarás, para “atividades de baixo risco”, como ateliês de costura, sapatarias ou lojas de roupa.
A medida provisória introduz uma grande mudança na relação entre empresas e o governo. É a presunção de que os atos do empresário são de boa fé. Dúvidas na interpretação do direito devem ser resolvidas, respeitando a autonomia dele.
“Que o estado pressuponha que o que você diz é verdade, e que se você não disse a verdade, você pagará pelos seus atos depois. É um passo bastante ousado também de cidadania”, afirma Newton.
A medida também estabelece que nenhuma licença poderá mais ser exigida, enquanto a empresa estiver desenvolvendo ou testando produto ou serviço sem riscos elevados. É importante lembrar que cada município ainda tem competência para fazer leis específicas. Mas, na ausência delas, vale a regra geral da MP.
Para o professor Newton, a medida é um primeiro grande passo, que aproxima o Brasil de países com os melhores ambientes para negócios no mundo. Segundo ele, a lei facilita a formalização, já que a pessoa que quer crescer, se tornar um médio empresário, precisa ser formal.
As mudanças já estão valendo. Agora, o Congresso tem até o final de agosto para aprovar e transformar a MP em lei. Caso isso não aconteça, a medida perde a validade.
Share
07 maio 2019

Android Q gera QR Code que permite login fácil na sua rede Wi-Fi

Android Q gera QR Code que permite login fácil na sua rede Wi-Fi

Cansado de ter de escrever a senha do seu Wi-Fi toda vez que parentes ou amigos visitam sua casa? Esse método de compartilhar os dados da rede está muito perto de ser extinto com a chegada do Android Q. Isso porque o novo sistema operacional do Google traz um recurso muito mais prático: e tudo só depende de um QR code.

Com a nova versão do Android, é possível gerar um QR code com as credenciais da rede Wi-Fi. Os convidados, então, podem escaneá-lo com o aplicativo de câmera do telefone para se conectar à rede. E o melhor de tudo é que não é necessário acessar manualmente os dados da conexão, diferentemente do que teria de ser feito com aplicativos de terceiros.

O Android Q também vai permitir adicionar dispositivos inteligentes domésticos — incluindo aparelhos com internet das coisas (IoT) — à rede Wi-Fi por meio de um QR code que pode ser escaneado com a câmera no Android. Ah, o aparelho precisa estar habilitado para o padrão Wi-Fi Easy Connect da Aliança Wi-Fi.

Para criar um QR code para uma rede Wi-Fi no Android Q

  • Vá a Configurações, Rede e Internet, depois procure o nome da rede Wi-Fi e toque na engrenagem à direita do texto.
  • Na janela Detalhes da Rede, toque em Compartilhar (à direita).
  • Insira a senha para gerar um QR code com o nome e a senha do Wi-Fi.

Não parece existir uma maneira de salvar o código QR, mas é possível fazer uma captura de tela e mostrá-la no telefone para os convidados da casa.

Para escanear o código e entrar em uma rede

  • Abra o aplicativo da câmera do Android.
  • Ative a função “Lente” em Configurações. Aperte “Ativar câmera” para usar a “Lente”.
  • Em seguida, posicione o visor da câmera sobre o QR code e toque no código.
  • Quando o nome da rede aparecer abaixo do QR code, toque nele para se conectar à rede Wi-FI.

No Android, clique em “Adicionar rede” na parte inferior das configurações de Wi-Fi para escanear um QR code. O aplicativo Câmera pode escanear os códigos quando se ativa a “Lente”.

Se estiver usando um iPhone ou um iPad com iOS 11

  • Abra o aplicativo da câmera do iOS.
  • Posicione o visor sobre o QR code — quando a câmera reconhece o código, aparece uma notificação.
  • Toque na notificação para se juntar à rede Wi-Fi.

No iPhone ou no Android, depois de tocar na notificação, o convidado já está na rede Wi-Fi. E o melhor: sem digitar uma única senha.

Fonte: https://olhardigital.com.br/noticia/android-q-gera-qr-code-que-permite-login-facil-na-sua-rede-wi-fi/85495

Share